quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Resoluções sobre as eleições de 2010

Na campanha eleitoral de 2010, os capitalistas brasileiros tentarão colocar novamente a eleição como uma disputa entre dois modos de gerenciar o capitalismo, um liderado pelo PT e outro pelo PSDB. Usam essa tática para tentar confundir os trabalhadores fazendo-os crer que não há saída para além do sistema capitalista.
Outro campo político que se apresenta como “novidade” no processo eleitoral, representado pela candidatura de Marina Silva, e que tenta se diferenciar através do debate sobre a questão ambiental, na verdade defende expressamente a política neoliberal implementada pelos governos FHC e Lula. Mesmo nas questões ambientais, onde poderia se diferenciar pela trajetória de militante desta área, Marina não apresenta críticas fundamentais ao governo Lula, defendendo inclusive políticas como a dos transgênicos e a construção de usinas hidrelétricas.
1. Ante este quadro entendemos que a única solução possível para um partido socialista é participar das eleições nacional e estaduais do próximo ano, apresentando candidaturas próprias, que sejam capazes de dialogar com os mais diversos setores dos oprimidos e explorados, na perspectiva da construção de um projeto de superação do capitalismo, que assumam a tarefa estratégica da construção do PSOL como partido socialista, que sejam capazes de debater soluções à crise ambiental do ponto de vista do projeto socialista e que assumam o compromisso de defender as propostas e o programa apresentados pelo partido, bem como a construção da Frente de Esquerda com PCB e PSTU na tática eleitoral e no movimento social.

2. Manifestamo- nos contrários à continuidade de conversas com Marina e o PV em torno de uma possível aliança. Se ao momento da ruptura de Marina com o PT era defensável, para alguns, que ela poderia tomar um rumo de esquerda, suas recentes posturas e declarações públicas revelam não apenas uma ausência de críticas ao modelo capitalista neoliberal, mas o apoio às medidas de implementação de tal modelo em nosso país. Destacamos que Marina defende a liberdade do mercado, a independência do Banco Central, o Plano Real e, no geral, a política econômica de FHC e de Lula.
3. No caso do Paraná, é bom lembrar, que nossa militância, ao longo desse ano, lutou contra a instalação de lixões, confrontando posições precisamente com o PV, dado que este é o partido que comanda os licenciamentos ambientais estando na direção do Instituto Ambiental do Paraná e da Secretaria de Estado do Meio Ambiente, de modo que se descarta qualquer possibilidade de diálogo com o partido de Marina Silva.
4. Defendemos que a conferência eleitoral nacional seja agora realizada com nova eleição de delegados (as), capaz de refletir o atual debate dentro do Partido.

5. Criticamos as posturas da companheira Heloísa Helena que, como demonstram as suas declarações públicas, estabelece conversas com Marina Silva e com o PV em contradição com a resolução aprovada na executiva nacional, ao manifestar apoio incondicionalmente à candidatura da Marina. Rechaçamos também a atitude de nossa presidente de desqualificar publicamente aqueles/as que pensam diferente de si dentro do Partido. Dentre os papéis de um (a) dirigente está o de servir de exemplo ao conjunto da militância, cumprindo as resoluções discutidas e aprovadas coletivamente em instâncias do Partido, ao invés de publicamente, desrespeitá-las ou extrapolá-las.

Curitiba, 19 de dezembro de 2009.
Luiz Piva
Secretario do Diretório Estadual do PSOL do Paraná

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Por um Psol Classista, Socialista e com candidatura própria!

Londrina, 28 de novembro de 2009.


POR UM PSOL CLASSISTA, SOCIALISTA E COM CANDIDATURA PRÓPRIA!


O Diretório Municipal do PSOL- Partido Socialismo e Liberdade de Londrina une-se a outros cinco diretórios estaduais (Ceará, Bahia, Sergipe, Espírito Santo, Rio Grande do Sul) e quatro diretórios municipais (Porto Alegre (RS), São Bernardo do Campo (SP), Niterói (RJ) e Joinville (SC)) na defesa de candidatura própria, na preservação de um partido classista, socialista e na manutenção da frente de esquerda composta por PSOL, PSTU e PCB. Consideramos que a manobra de coligação com o PV de Marina Silva e Zequinha Sarney é oportunista, eleitoreira e qualquer coligação desta natureza compromete a luta anticapitalista e a construção de um partido de esquerda e militante. Considerando que um partido de esquerda deva orientar-se pelas bases, ressaltamos que os rumos do PSOL não pode estar nas mãos da cúpula que vem decidindo de costas para os militantes ao negociar com o PV, um partido burguês, ecocapitalista e de sustentação do PT/DEM/PSDB.

Atenciosamente,

Diretório Municipal do PSOL- PARTIDO SOCIALISMO E LIBERDADE de Londrina- Pr.




quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Grupo de Estudos Feministas convida:



Prosseguindo com o dia da Consciência Negra faremos um debate sobre saúde da mulher negra com a presença da Mãe Omin, ativista dos direitos da população negra de Londrina.
Local: DCE Centro
Data: 05/12/09 as 14h
Não percam!

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Lançamento da Pré Candidatura de Plínio de Arruda Sampaio na UEL




No dia 28 de novembro de 2009 no CCH da UEL fizemos o lançamento oficial do PSOL Londrina da pré-candidatura do companheiro Plínio de Arruda Sampaio para a presidência nacional, mesmo com muita chuva tivemos a participação de mais de trinta pessoas que puderam debater a conjuntura política e socioeconômica do Brasil e do mundo por meio do jornalista e membro do diretório nacional do PSOL "Tostão". O jornalista ao lado de Plínio tem percorrido o Brasil para a divulgação da campanha junto à esquerda e internamente no partido. O PSOL Londrina apóia candidatura própria!




segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Memória da Reunião de diretório municipal- 06/11/09

No dia 06/11/09 as 19 h na APP Sindicato tivemos Reunião ordinária do Diretório Municipal do PSOL- Partido Socialismo e Liberdade de Londrina do mês de novembro, estiveram presentes os seguintes membros: Alisson, Valmor, Jackeline, Liliana, Osvaldo, Lucas e Manoel. Um dos itens pautados foi a situação da casa do estudante, cotizações e prestação de contas do diretório, pré-candidatura do Plínio, atuação do Psol nos movimentos de ocupação urbana de Londrina e a recomposição do diretório após pedido do coordenador Manoel Paiva de afastamento por motivos de incompatibilidade com outras funções que já exerce feita na reunião de setembro de 2009. A recomposição ficou então definida, conforme Estatuto do Psol, e passa a vigorar a partir desta data. Assim, Jackeline Lourenço Aristides torna-se a nova presidente do partido de Londrina, José Francisco Galvão permanece como tesoureiro e Lucas Perucci que era secretário de formação política torna-se o secretário geral do Psol Londrina, Silvana Girardi Galvão e Alisson Marques permanecem como suplentes.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Lançamento da Pré Candidatura de Plínio de Arruda Sampaio

Para uma construção de um partido classista, socialista e de candidatura própria que faça coalizão entre os partidos de Frente de Esquerda PCB e PSTU e movimentos sociais colocamos a candidatura do companheiro Plínio de Arruda Sampaio para a presidência da república.

Um passo atrás... na direção do abismo

Um passo atrás...na direção do abismo
Fernando Silva
A deputada federal licenciada do nosso partido, Luciana Genro, divulgou artigo “Um passo atrás, dois passos à frente!”. Nele, parte de considerar acertada a decisão da Executiva Nacional do PSOL de aprovar, por maioria, uma comissão para abrir negociações com a pré-candidata do Partido Verde (PV), Marina Silva. O artigo da companheira argumenta que é correto apoiar a candidata do PV, que essa seria a melhor tática do PSOL para as eleições de 2010.Com toda fraternidade e respeito que merece a companheira Luciana, que foi uma das mais expressivas figuras públicas na fundação do PSOL, discordamos de cara do enunciado do artigo. Para começar, foi um erro importante da direção máxima do partido aprovar a abertura de negociações com Marina Silva, num momento em que o partido ferve de incertezas e mal inicia um debate a sério sobre o que fazer na disputa de 2010. Pior ainda: aprovou uma plataforma de “condições” que sequer exige da candidata do PV um pronunciamento de ruptura para com a política econômica do governo Lula, nem pede um debate sobre uma necessária ruptura do seu partido com os tucanos e democratas, direita na qual estão hoje abrigados setores expressivos do PV.Como conseqüência dessa "abertura de porteira", os apoiadores diretos do caminho Marina — com franqueza elogiável, registre-se — saem a campo expondo suas posições. É o caso da companheira Luciana Genro. Nota-se no artigo que todos os argumentos são táticos. Trata-se de buscar o melhor atalho possível para não ficar na marginalidade, em uma eleição em que as circunstâncias são de fato difíceis para a esquerda socialista e revolucionária. O problema dos argumentos excessivamente táticos é que, ao abandonar o horizonte estratégico, abandonam também razões que mantiveram até aqui o projeto PSOL.U ma esquerda anticapitalista não pode estar colada a um processo que não rompe com a política econômica, ou com as ilusões de que é possível disputar alas progressistas de setores governistas e das entranhas do governo. Ou seja, um processo que de fato sequer separou-se pra valer do governo Lula. Exagero nosso? Basta observar, sobre isso, o que a própria Marina Silva está dizendo agora, após a votação da Executiva do PSOL: "Na semana passada, o governo fez dois anúncios extremamente significativos: a menor taxa de desmatamento já registrada na Amazônia e o compromisso de reduzir a tendência de crescimento das emissões de gases de efeito estufa entre 36,1% e 38,9% até 2020. São resultados importantes, conseguidos, ao longo dos anos, com a forte e contínua pressão de diferentes segmentos da sociedade e do Ministério do Meio Ambiente na construção de uma política ambiental. Sem isso, o compromisso do governo com a redução de emissões simplesmente não teria saído. Saúdo o governo por isso e lembro que esses anúncios precisam fazer parte de uma visão estratégica de país. Aliás, a luta pelo cumprimento de tais metas está só começando. (...)(..) O Brasil está com tudo a seu favor e pode brilhar em Copenhague.Só não podemos permitir que setores mais atrasados do governo e do agronegócio tenham êxito na desconstrução da legislação que sustenta as medidas que levaram a esses resultados. O Brasil deve assumir a vocação de líder e deve estar à altura das responsabilidades nacionais e globais que isso implica." (Opinião pública e mudança climática, Folha de S. Paulo, 16/11/2009) Bem, se depender da posição da companheira Luciana Genro e da sua corrente no partido, o PSOL pode, em nome de acumular melhores condições no futuro, entregar seu patrimônio e sua história de coerência para uma candidatura que saúda o governo na sua inaceitável política ambiental e compactua com a idéia de que o problema são os "setores atrasados do governo e do agronegócio".Cabe perguntar se a companheira Luciana e sua corrente pensam em mudar de posição no debate feito pelo PSOL, contra a maior parte da esquerda desde 2004, sobre a existência ou não de setores progressistas no governo Lula, que permitiriam cogitar da possibilidade de que este governo estivesse “em disputa” ou algo pelo estilo. Se Luciana Genro e a sua corrente não mudaram de posição, qual o sentido de subordinar o PSOL a esse tipo de perfil nas eleições de 2010? Em nome de um espaço maior para dialogar com o povo? Mas isso é de uma incoerência completa. Como dialogar com a população trabalhadora dentro de uma coalizão cujo partido principal abriga parte da família Sarney? O máximo da incoerência no argumento do “diálogo com o povo” é que o artigo propõe que abramos mão da exposição pública, d o tempo de TV e do perfil próprio para falar e dialogar com dezenas de milhões de brasileiros, aliás, mais de 130 milhões de eleitores (sendo um pouco mais precisos), para nos escondermos nas asas de uma candidatura amiga dos setores "progressistas" do governo, do agronegócio!! e também de governos estaduais e municipais tucanos e democratas. Abrindo mão do projeto PSOLNa fundação do PSOL compartilhávamos todos da concepção segundo a qual, na atual etapa, é imperioso um partido anticapitalista amplo, para reaglutinar forças e dissidências da esquerda socialista, sem ultimatos e programas prontos. E plural, democrático, que aceitasse o direito de tendências. Por isso, não vimos nenhuma possibilidade de um partido comum com o PSTU. E mesmo reconhecendo naquele partido uma vertente da esquerda revolucionária brasileira, esta impossibilidade continua vigente, dadas as grandes diferenças de concepção partidária, pro gramáticas e de tarefas na atual etapa da reorganização de forças na esquerda. Mas não é isso que está em debate agora no partido. Chega a ser desleal com a militância e setores do PSOL, e mesmo com o PSTU, utilizar aquele partido para mascarar o giro político da deputada e sua corrente, como se todos os que não concordam agora em apoiar a Marina fossem sectários, avessos ao diálogo com a população, etc. e tal. Seja lá qual o for o ângulo com que se analise esta argumentação, ela é simplesmente grosseira.O problema em questão é que Luciana Genro e sua corrente estão propondo que o PSOL abra mão de uma de suas razões de ser. E o artigo da deputada reconhece essa razão: ser oposição de esquerda ao governo Lula. É possível acumular posições e inserção de massas em períodos defensivos mantendo o perfil próprio e sua independência política. Se, por exemplo, o Bloco de Esquerda em Portugal seguisse os atalhos sugeridos pela companheira, em conjunturas ainda mais atrasadas que as vividas no Brasil, talvez não tivesse conquistado a inserção no movimento e a bancada parlamentar que tem hoje, após dez anos mantendo-se como força independente, sem confundir-se com qualquer vertente da social-democracia portuguesa, ainda que a custo de ter tido apenas dois parlamentares na maior parte dessa década de vida, com votações que mal passavam dos 3% dos votos, em uma país então com baixa intensidade da luta de classes. Mas eis que, quando entra em cena a crise econômica na Europa e se evidencia a crise de representação política na classe trabalhadora européia, estava lá o Bloco de Esquerda, como uma alternativa coerente aos olhos do povo português, para dar o impressionante salto nas últimas eleições nacionais, quando obteve 10% dos votos, chegando a 16 parlamentares, alargando e nacionalizando sua inserção social. Três observações finaisUma conseqüência evidente dessa falta de confiança no projeto PSOL é o descaso de Luciana e da da sua corrente com as reservas do partido e suas possibilidades de conseguir outro nome para apresentar um programa de demandas da classe trabalhadora, diante da decisão de Heloísa Helena de se candidatar ao Senado. O ataque gratuito da companheira Luciana ao companheiro Plínio Arruda Sampaio, no meio do artigo, beira a pura deselegância, visto que sua corrente não fez qualquer gesto, nem esforço sério para debater as alternativas que começaram a aparecer e se consolidar dentro do partido, como é o caso da pré-candidatura de Plínio.Em um partido de gente grande e com relativa experiência política, como já podemos falar que é o PSOL, sabemos que a construção de um programa, da linha de campanha e de objetivos comuns envolvendo o nome e um patrimônio político como o do companheiro Plínio, podem perfeitamente se construir mediante diálogo, debate e boa vontade para encontrar soluções unitárias que "dialoguem com o povo". Segunda observação: o giro da companheira Luciana Genro não é um raio em céu azul. Quando candidata a prefeita de Porto Alegre, aceitou, junto com sua corrente, o financiamento de campanha de empresas capitalistas de grande porte, como a Gerdau e a Taurus. Ali, à revelia da maioria da Executiva Nacional do partido (pior, à revelia da decisão de consenso da Conferência eleitoral do partido sobre esse tema), por cima dos estatutos do partido, abriu-se um gravíssimo precedente, que já sinalizava o início de um descompromisso com um projeto político independente de classe. Afinal, o financiamento privado de campanhas eleitorais foi, é e será uma das principais fontes de domesticação e corrupção dos partidos políticos no país, incluindo os de origem na classe trabalhadora. Quem quis aprender alguma coisa do que aconteceu com o PT, quando começou a rebaixar programa e alianças p ara ganhar eleições e a aceitar as regras do jogo do poder econômico, bem, aprendeu. Quem prefere insistir nos velhos erros, pedimos apenas, por favor, que levem apenas a si mesmos para o abismo e não todo o partido.Por fim e em conclusão: o que a companheira Luciana e sua corrente estão propondo não é um passo atrás, um recuo tático para acumular forças, é um passo para o abismo, para a dissolução do projeto, se entendemos o projeto PSOL como uma aposta de uma ferramenta anticapitalista capaz de reaglutinar forças na esquerda socialista e inseri-se nas lutas sociais para dinamizar um projeto de ruptura. Mas o que parece é que, tragicamente, em tão pouco tempo de vida, o PSOL já tem os seus liquidacionistas...
Fernando Silva, é jornalista, membro da Executiva Nacional do PSOL e do Conselho Editorial da revista Debate Socialista

terça-feira, 10 de novembro de 2009

O núcleo feminista do Psol Londrina convida:


O núcleo feminista do Psol Londrina convida para a exibição do filme "O fim do Silêncio" que conta com a participação de mulheres de várias classes sociais, credos, profissões, etnias narrando suas histórias de vida e o aborto. Depois do filme faremos uma discussão do tema aborto, e teremos a intervenção das companheiras para o tema auto-organização das mulheres e políticas públicas para a mulher. O filme é estendido a todas e todos, independente de partido e o segundo momento é um espaço autônomo e só de construção das mulheres. Este encontro é parte da preparação do Encontro Estadual de Mulheres do Psol que acontecerá em dezembro de 2009 em Curitiba-Pr.

sábado, 7 de novembro de 2009

Dia das Crianças na Vila Feliz




Através do convite do líder comunitário Robson estivemos no dia 12 de outubro, Dia das Crianças, desenvolvendo atividades com cirandas, brincadeiras com bexigas, pinturas em face. Foi uma forma divertida de interagir com a comunidade e com as crianças... Elas adoraram as pinturas, segundo as mães nem tiraram para dormir, e muitas foram até na escola com os rostos pintados!




segunda-feira, 19 de outubro de 2009

MANIFESTO DE APOIO AOS ESTUDANTES DA UEL- Casa dos Estudantes da Av. São Paulo

Após a atuação desastrada e contra todos os princípios de bom relacionamento que deveriam nortear as conversações entre a Administração da UEL e estudantes da Instituição, a UEL volta um pouco atrás e cria um Fórum para a tentativa de solução dos moradores da Av. São Paulo.
Pouco mais de 30 estudantes que sofrem desde a gestão anterior, Lygia Pupatto, o engodo da moradia estudantil. Foram embrulhados e enrolados pela Administração no sentido de que teriam espaço suficiente para todos na nova morada. Mas ledo engano, um prédio feito ao modo de antender uma demanda politiqueira, que garantisse aos membros da gestão Pupatto um certo número de simpatizantes para quando fossem necessários votos. Os meninos e meninas da Casa da Av. São Paulo além desse engodo sofrem com a truculência por parte do Reitor da UEL, Wilmar Marçal e também de sua Procuradoria Jurídica, que sem dó nem piedade usou do autoritarismo ainda vigente nesse chamado "estado de direito". Direito de quem? a serviço de quem? A qual senhor servem o Reitor Wilmar? Nem sequer pensou em sua neófita e já defunta carreira politiqueira rumo à Câmara Estadual. Assim como o revés sofrido quando da intenção desse mesmo Reitor em colocar muros em torno da UEL, combatido que foi pela comunidade vizinha e também Estudantes e membros da Comunidade Universitária. Derrotado naquele evento, parece querer vingar-se de quem impingiu-lhe a derrota política. Agora esperemos que a sensatez tenha inserção aos membros do Conselho Universitário da UEL, com o apoio de sua Comunidade e a participação dos estudantes excluídos de um processo que atenda às necessidade de acesso e permanência na universidade para estudantes carentes, e que uma solução nesse sentido seja dada a todo esse sofrimento que obrigado tanto a Instituição, quanto os estudantes aparecerem nas páginas policiais dos periódicos locais. Todo o apoio à luta estudantil por acesso e permanência na Instituição de Ensino e Pesquisa. Todo o apoio à luta dos Estudantes da Casa da Av. São Paulo. Por soluções imediatas para essa crise gerada por administradores com interesses rasteiros, e que o diálogo e a sensatez pesem mais nessa hora do que a truculência e o autoritarismo velado pelo "estado de direito" burguês.

LONDRINA, 05 DE OUTUBRO DE 2009
FRENTE DE ESQUERDA DE LONDRINA
PCB
PSOL
PSTU

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Grupo de Formação Política Feminista do Psol Londrina e Núcleo Feminista


As militantes do Psol Londrina iniciaram o grupo de discussão feminista no mês de setembro de 2009, demanda da necessidade de se pensar o papel da mulher na sociedade, bem como a sua opressão no capitalismo. Este grupo tem como função a formação política com textos de cunho classista, feminista e socialista, envolvendo também a participação de homens do partido, bem como a presença de mulheres de outros seguimentos sociais. Outra ação das militantes foi a criação do núcleo feminista do Psol Londrina, que envolve somente militantes mulheres do Psol, sendo autonômo na deliberação de políticas feministas para o partido. A próxima reunião ampliada de formação política acontecerá no dia 25/10 as 14h na rua Araraquara 261 Jardim Veraliz, que é aberta a todas e a todos. A reunião de núcleo feminista será no dia 24/10 também neste horário na rua Aristeu dos Santos Ribas, 499 Jd. Santa Mônica.


Alguns temas discutidos: Introdução ao movimento feminista, Origem da Família, da Propriedade e do Estado de Engels.


Próximo debate: sexualidade


Saudações Feministas e Libertárias


Núcleo Feminista do Psol

domingo, 4 de outubro de 2009

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Ambulantes de Londrina estão impedidos de trabalhar!

Amanhã (22/09/09) tem panfletagem nos arredores do terminal urbano de Londrina, em favor dos trabalhadores ambulantes! Será a partir do meio dia!


Curso de Formação Política Núcleo 13 de Maio


Nos dias 12 e 13 de setembro o Psol trouxe para Londrina o educador popular Wagner do núcleo 13 maio que trouxe o conteúdo de "Como Funciona a sociedade I". Além de militantes do Psol tivemos a participação do pessoal do CDH, PCB, Centro Chê, Teatro do Oprimido, residentes da Residência Multiprofissional em Saúde da Família, e claro do pessoal do Sindiprevs que novamente cedeu espaço para a atividade. O próximo passo da secretaria de formação do Psol é trazer o núcleo para a segunda etapa do curso. Agradecemos a galera do apoio: Tabata, Kota e Mota!!! Acima foto dos participantes tirada pelo companheiro José Carlos do Sindiprevs.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Grito dos excluídos - PSOL presente!!




A cidade de Londrina foi palco, no último dia 07 de setembro, da 15ª edição do grito dos excluídos que escolheu como tema: "A vida em primeiro lugar, a força da transformação está na organização popular". Centenas de pessoas participaram da manifestação que todos os anos "invade" o desfile "oficial" e que demonstra durante a sua intervenção o Brasil que sofre da injustiça e da opressão, que na avenida é escondida atrás de belas apresentações. As pastorais sociais, o movimento dos sem terra, os indígenas e demais movimentos sociais marcaram presença levantando as suas bandeiras de luta e reinvindicando os seus direitos.

O PSOL mais uma vez esteve presente!


segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Militantes do PSOL visitam acampamento do MST em Tamarana



Militantes do Partido Socialismo e Liberdade de Londrina juntamente com o companheiro Paulo Bearzoti presidente do diretório de Curitiba relizaram uma visita ao acampamento Elí Vive! de Tamarana. O acampamento leva o nome de um trabalhador sem terra assassinado a tiros em 2008 a mando dos detentores do poder e do dinheiro do município de Tamarana. Centenas de famílias permanecem acampadas e continuam buscando o sonho de Elí por justiça, liberdade e reforma agrária. O militantes foram recebidos pelos trabalhadores e permaneceram sábado e domingo no acampamento prestando solidariedade à luta e apoio incondicional do partido ao movimento. O MST é um movimento extremamente organizado, os trabalhadores dividem - se em núcleos de base, cada um responsável por uma área de atuação, a união e a solidariedade presentes nas atitudes de cada militante é responsável pela força e coesão destes lutadores e lutadoras. Essa foi apenas a primeira visita de outras que se seguirão, ficamos com a incumbencia de numa próxima oportunidade contribuirmos com a organização do acampamento trabalhando temáticas como saúde, arte, educação, cultura, meio ambiente dentre outras.

Agradeçemos aos trabalhadores rurais sem terra que nos receberam com muita hospitalidade.

Partido Socialismo e Liberdade de Londrina

domingo, 30 de agosto de 2009

O novo Diretório Estadual do PSOL-PR inicia seus trabalhos

Comunicação PSOL-PR

Na manhã deste domingo, dia 30 de agosto, tomou posse o novo Diretório Estadual do PSOL-PR, eleito no II Congresso Estadual do Partido que aconteceu no dia 1º de agosto. Vários militantes do Diretório Estadual também estiveram no Congresso Nacional do partido, realizado nos dias 21, 22 e 23 de agosto em São Paulo, e avaliaram que entre os pontos positivos do congresso esteve a resolução consensual sobre acessibilidade, proposta pela representante do PSOL-PR Christianne Righetto, militante surda que foi candidata a vereadora em Curitiba. Além disso, os militantes ressaltaram a unidade do partido na atuação sindical e junto aos movimentos sociais. Luiz Felipe foi reconduzido à presidência do PSOL-PR e outras 5 novas secretarias foram criadas na primeira reunião do novo Diretório: Juventude, Sindical, Mulheres, Ecossocialismo e Movimentos sociais, além da Secretaria de Negras e Negros, criada no Congresso Estadual.

Assim, a composição do novo Diretório Estadual do PSOL-PR
Presidente Luiz Felipe
Secretário Geral Prof. Luiz Piva
Tesoureiro André Melão
Secretário de Comunicação Bruno Meirinho
Secretária de Formação Política Fátima Rivas
Secretário de Negras e Negros Prof. Aílson de Souza
Secretário de Movimentos Sociais Valmor Venturini
Secretário de Juventude Thiago Bagatin
Secretária de Mulheres Giovana Piletti
Secretário de Ecossocialismo Jeferson Kaibers
Secretário de Movimento Sindical Renato Gonçalves
Membro Pleno Claudemir Romancini
Membro Pleno José Elias Aiex
Membro Pleno Marcel Cherubim
Membro Pleno Ariel Mendes

sábado, 29 de agosto de 2009

II Congresso Nacional do PSOL -Partido Socialismo e Liberdade







Foi realizado nos dias 21, 22 e 23 de agosto de 2009 em São Paulo na quadra dos bancários o II Congresso Nacional do PSOL- Partido Socialismo e Liberdade que reuniu 373 delegados, mais 200 observadores incluindo delegações internacionais e membros do diretório nacional. O congresso debateu questões como unificação sindical, setoriais de mulheres e a questão da legalização do aborto, setoriais de luta dos afrodescendentes e deficientes físicos, a criminalização dos movimentos sociais, nota de apoio ao deputado Marcelo Freixo do PSOL que luta arduamente no combate às milícias do Rio de Janeiro e que vem sendo ameaçado de morte. Não podemos nos esquecer da brilhante atuação da Cristiane Righetto que é do movimento surdo de Curitiba e que foi candidata à vereadora naquela cidade, que conseguiu apoio de toda a plenária do congresso para uma resolução do partido de apoio à manutenção das escolas bilíngue para surdos em todo o terrítório nacional. Isto é uma resposta ao governo Lula que fala das extinção das escolas especiais no Brasil. Outras resoluções também foram propostas como a defesa da amazônia e pelo fim do Senado. O Congresso findou-se no domingo sem a decisão da eleição da majoritária em 2010, decisão que ficou adiada para outubro de 2009 quando será realizada a Conferência Eleitoral, porém a pré-candidatura de Plínio de Arruda Sampaio já foi antecipada neste congresso. Parabéns pela participação da delegação de Londrina que participou ativamente da construção do Congresso Nacional!

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Ato Unitário em Londrina




Realizamos no dia 14 de agosto o ato unitário nacional contra a crise, em Londrina o ato foi promovido no dia 15 no calçadão de Londrina e teve a adesão histórica de vários partidos de esquerda, movimentos civis organizados e lideranças comunitárias. No ato tivemos a participação do PSTU (Partido Socialista do trabalhador unificado), PSOL (Partido Socialismo e Liberdade), PCB (Partido Comunista Brasileiro), POR (Partido Operário Revolucionário), Centro CHE- Centro de Estudos Ernesto Chê Guevara, Adevilon (Associação dos deficientes visuais de Londrina), Corrente Proletária pela Educação, Comitê do Passe Livre, Redução da tarifa e Estatização do Transporte, Teatro do Oprimido, Coletivo da LUTA NÃO ME RETIRO, DCE (Diretório Central de Estudantes- DCE, Sindiprevs (Sindicato dos Servidores Públicos Federais em Saúde, Trabalho, Previdência Social e Ação Social do Estado do Paraná), Casa do Estudante e MST- Movimento dos Trabalhadores sem Terra. Várias bandeiras locais foram colocadas: por melhores condições de trabalho dos recicladores, passe livre, redução da tarifa, estatização do transporte e fim das demissões dos cobradores. Outras bandeiras nacionais foram levantadas como Não à privatização dos correios! Pelo fim do senado! Não à criminalização do aborto! Não à criminalização dos movimentos sociais! O trabalhador não pagará pela crise! E denúncias ao governo LULA que gasta bilhões no resgate de bancos. Para avaliarmos nosso ato e estendermos ações neste bloco em questões locais faremos uma reunião de avaliação:




DATA: 19/08/09 AS 19H


LOCAL: TEATRO DO OPRIMIDO RUA BENJAMIN CONSTANT AO LADO DO OBA-OBA




Participem da construção da luta socialista!!!

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Ato unitário contra a crise do capital - sábado às 10:00h no calçadão


O PSOL Londrina está compondo o ato unitário em resposta a crise do capital.
O ato está sendo organizado por mais 12 entidades: ADEVILON (Associação dos Deficientes Visuais de Londrina) - Centro de Estudos Políticos e Sociais Ernesto Che Guevara - Casa do Estudante da UEL - Comitê Pelo Passe Livre, Redução da Tarifa e Estatização do Transporte Coletivo - Coletivo da Luta não me retiro (UEL) - Corrente Proletária na Educação ∕ POR (Partido Operário Revolucionário) - DCE UEL- MST- Pastoral da Juventude - PCB (Partido Comunista Brasileiro) - PSOL (Partido Socialismo e Liberdade) -PSTU (Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado) -SINDPREVS (Sindicato dos Servidores Públicos Federais em Saúde, Trabalho, Previdência Social e Ação Social).

O ato é uma resposta dos trabalhadores, dos movimentos sociais e dos partidos verdadeiramente de esquerda pautando-se nas demandas locais, contra às demissões, condições precárias de transporte, moradia que se agudizam ainda mais em tempos de crise.

A saída para esta crise é o SOCIALISMO!

Os trabalhadores não devem pagar pela crise!

Venha pra luta:

Ato em resposta à crise do capital

dia 15 de agosto de 2009

À partir das 10:00h da manhã

No calçadão, em frente ao Banco do Brasil.




segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Congresso Estadual



No dia 01 de agosto uma comitiva de militantes do PSOL de Londrina e de Bela Vista foi para o Congresso Estadual realizado em Araucária na sede do SISMMAR- . Lá foram discutidas as teses e votado os delegados para o Congresso Nacional que será realizado em São Paulo no próximo dia 21, 22 e 23 de agosto. Londrina terá dois delegados para o congresso nacional (Silvana Girardi Galvão e Lucas Perucci) e terá um representante no diretório Estadual (Valmor Venturini).

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Reunião de diretório municipal

Vimos por meio deste informar a realização da reunião do diretório municipal do PSOL de Londrina.


Data: 07/08/09
Horário: 19h
Local: APP sindicato

Pautas: informes sobre o congresso estadual;
- Prestação de contas da cotização;
- Lista de desfiliações;
- Informe sobre a atuação do núcleo Londrina e fortalecimento da frente de esquerda;
- Divulgação do partido.

Se tiverem mais pautas, por favor, acrescentar...

Atenciosamente,

Jackeline Aristides- secretária do Psol Londrina

domingo, 2 de agosto de 2009

terça-feira, 21 de julho de 2009

Direção do SINTTROL não representa os trabalhadores do transporte coletivo!

Ficou provado mais uma vez de que lado está a direção do Sindicato dos trabalhadores do transporte rodoviário de Londrina, representado por seu presidente João Batista.
Em reportagem publicada pelo Jornal de Londrina, João Batista disse que acata a decisão da empresa de demitir os cobradores para não causar desequilíbrio nos cofres da TCGL. E diz que a os motoristas que acumularam duas funções estão adoecendo por que não aguentam trabalho pesado, pois são da geração "Coca-Cola e videogame.
Os motoristas e os cobradores não podem aceitar uma direção que os trata dessa maneira, o presidente ridiculariza os trabalhadores que estão adoecendo devido ao acúmulo de função. E ao invés de defender o emprego dos cobradores, assume o papel de defender os interesses da empresa.

Outra reportagem também do Jornal de Londrina mostra que os acidentes envolvendo passageiros aumentaram nos ônibus onde foram retirados o cobrador. Os motoristas confessam que estão estressados, e para piorar revelam que a empresa desconta do seu pagamento dinheiro tomado em assalto por bandidos.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Reunião de núcleo na segunda dia 20-07-09!

Na Av. Paraná, 102 (Centro Che, Sindicato dos Correios) no calçadão, dia 20-07-2009 às 19:00 h, reunião do núcleo Londrina. Todos estão convidados.

Pauta: organização de ato unificado, formação política e intervenção em demandas locais.

Saudações Socialistas!

domingo, 12 de julho de 2009

Reunião de Núcleo

Como previsto em Estatuto, o PSOL Londrina convoca a primeira reunião do núcleo Londrina. Os núcleos são formas de atuação de militantes de toda a comunidade, sendo filiados ou não, neste momento podemos discutir a formação política e os problemas de nossa cidade. O convite é estendido a todos, independente de corrente política. Sintam-se todos convidados!

Data: 13/07/09 as 19H
Local: Av. Paraná, 102 - segundo andar_ Centro CHÊ- em frente ao bradesco

Comitê do Passe livre redução da tarifa e estatização do transporte coletivo


O comitê do Passe livre de Londrina está organizando a resistência ao aumento da passagem, e acaba de lançar o seu blog http://www.passelivrelondrina.blogspot.com/. Todos estão convidados a participar das reuniões, manifestações e também a ajudar na coleta das assinaturas para o abaixo assinado.


O PSOL apóia a luta pela redução da tarifa, passe livre para estudantes e desempregados e contra a demissão dos cobradores!


sexta-feira, 3 de julho de 2009

Plenária do Psol Londrina e discussão das teses




Realizamos no dia 26/06/09 a discussão das teses do Congresso Nacional do Psol que será realizado nos dias 21, 22 e 23 de agosto de 2009 em São Paulo. Esta discussão faz parte da secretaria de formação política do PSOL Londrina, representado pelo Lucas Perucci.

No dia 27/06/09 na parte da manhã demos prosseguimento a nossa Plenária Municipal do PSOL Londrina, e tivemos a participação do presidente estadual do Psol Luis Felipe Bergman, bem como do Presidente do Psol municipal Manoel Paiva. Tivemos concorrentes como delegados duas chapas: Chapa 5 "Uma alternativa popular, ecológica e socialista para o Brasil" e chapa 8 "Um partido militante para um Brasil dos trabalhadores e socialista". Obtivemos o seguinte resultado na votação: quatro votos para a chapa cinco, e sete votos para a chapa oito, bem como uma abstenção e uma retirada de um filiado durante a eleição. Desta forma, a chapa cinco levará um delegado para o Congresso Estadual e a chapa oito com dois delegados pelo método da proporcionalidade.

Agradecemos ao Sindiprevs que nos forneceu o local da plenária, bem como todos os militantes que estiveram presentes! Lembrando que o Congresso Estadual será realizado no 01 de agosto de 2009 em Curitiba-PR!


quarta-feira, 1 de julho de 2009

Comitê do Passe Livre e ato público

O PSOL Londrina apóia o comitê do passe livre, e manifesta junto! Ato Público dia 04/07/09 a partir das 10 horas em frente ao banco do Brasil do Calçadão...

Contra o aumento da tarifa! Não à demissão de cobradores! Pelo Passe Livre, Redução da Tarifa e Estatização do Transporte Coletivo.

Políticos e empresários do transporte tramam um novo aumento na tarifa. A injustiça está cada vez mais escancarada. Já se tornou público que a Grande Londrina pagava mesadas aos vereadores há 12 anos e que dá R$600 mil por ano para o Sindicato (por isso ele sempre está ao lado da empresa), ou seja: cortando essas “doações” e tirando as fraudes na planilha já apontadas pelo Ministério Público não é necesário aumentar a tarifa, pelo contrário, é possível reduzi-la.
Querendo explorar cada vez mais trabalhadores e usuários, a empresa quer demitir todos os cobradores, o que vai sobrecarregar os motoristas, aumentar o desemprego e colocar em risco a vida dos que dependem dos ônibus. Não podemos permitir isto!
É preciso defender o passe livre, como parte do direito à educação. E a estatização do transporte coletivo, sob o controle dos trabalhadores e usuários. O transporte é um direito, não pode servir para dar lucro a uma minoria de empresários às custas do sacrifício da população.

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Plenária do Psol Londrina

Edital de convocação para filiados do Psol- Partido Socialismo e Liberdade (presença obrigatória)

O Psol irá realizar a Convenção Nacional do Partido em 21,22 e 23 de agosto de 2009 em São Paulo e a Convenção Estadual do Partido será em Curitiba nos dias 01 e 02 de agosto de 2009. Londrina terá sua plenária municipal no dia 26 e 27 de junho de 2009 para poder eleger os delegados para a convenção estadual.


Data: 26/06/09 as 19 horas- Discussão das teses- aberto à comunidade
Local: Sindiprevs- Rua Jorge Casoni, 2575

Data: 27/06/09 as 8 horas- Plenária Municipal com eleição dos delegados para o Congresso Estadual
Local: Sindiprevs- Rua Jorge Casoni, 2575

sábado, 20 de junho de 2009

Empréstimo ao FMI é um escárnio ao povo brasileiro

É incompreensível ao povo brasileiro e de péssima simbologia, afirma Ivan Valente

18-Jun-2009

Em pronunciamento no plenário da Câmara, no dia 17, o líder do PSOL, deputado Ivan Valente, criticou o empréstimo de 10 bilhões de dólares do Brasil ao FMI. Este empréstimo acontece num momento em que o país entra em recessão e o governo promove cortes nas áreas sociais. Para Ivan Valente, o empréstimo é um forma de iludir o povo brasileiro, de fazê-lo acreditar que está indo tudo bem e de que não há motivos para temer a crise. Leia a íntegra do discurso.

Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, na qualidade de Líder do PSOL, abordo uma questão que julgo da maior simbologia na política econômica brasileira:a notícia de que o Governo brasileiro emprestará 10 bilhões de dólares ao Fundo Monetário Internacional, comprando parte dos 500 bilhões em títulos dessa instituição.

Lembro nosso histórico com o Fundo Monetário Internacional, o quanto já emprestamos dessa instituição e o que ela nos aportou.

Os empréstimos do Fundo Monetário Internacional representaram, além de uma monumental dívida externa brasileira, muito mais por ter absorvido toda política do Consenso de Washington, a política do superávit primário, a política do pagamento religioso da dívida pública, como uma questão de fé, a lógica de que é muito mais importante comprar confiabilidade do mercado financeiro internacional e nacional do que aplicar nas políticas públicas e na infraestrutura brasileira e a lógica de um país dependente. Assimilamos o ideário do FMI.


O Governo brasileiro, primeiro nos governos anteriores, particularmente no de Fernando Henrique Cardoso e agora no Governo Lula, assimilou a lógica do Fundo Monetário Internacional, ou seja, de que o Brasil precisa se apresentar ao mercado em primeiro lugar e não se voltar para o desenvolvimento econômico. Tanto é assim que no ano passado pagamos 282 bilhões de reais de juros e amortizações da dívida pública — apenas em juros e amortizações — , não contando a rolagem da dívida. Só neste ano, até o dia 7 de maio, pagamos 81,5 bilhões do orçamento federal: 5 vezes mais do que o gasto com saúde, 10 vezes mais do que o gasto com educação, 8 vezes mais do que se gastou com assistência social, 35 vezes o que se gastou com a agricultura e 168 vezes o que se gastou com a reforma agrária no Brasil.

Isso demonstra claramente a intenção do Governo, a prioridade do Governo brasileiro. Depois não tem dinheiro para o social, para a infraestrutura. É claro! Agora, para passar bem para o mercado internacional, o Brasil é credor.

Sr. Presidente, o que significa exatamente ser credor do Fundo Monetário Internacional? Na minha opinião, significa um escárnio ao povo brasileiro. E não me venham dizer que esse dinheiro é das reservas internacionais. O Governo está emprestando do dinheiro das reversas internacionais para exportadores e para o agronegócio. Acontece que os títulos do Fundo Monetário Internacional pagam 0,46% ao ano, enquanto que a nossa SELIC está em 9,25% ao ano. É essa a questão! Nós entregamos 170 bilhões de reais em títulos do Tesouro americano com as nossas reservas. Depois chamamos o capital especulativo internacional para pagar 9,25%. O Governo tem de inverter isso! O Governo precisa pensar o que fará com essa política econômica.

Dizer que tem crédito junto ao FMI, que está estimulando outros mercados de países subdesenvolvidos a consumir mais, é um escárnio ao povo brasileiro.

Sinceramente, eu não sei como o Governo do PT, o Governo Lula, pode publicamente fazer a defesa de um órgão que estava falido praticamente, sem nenhuma credencial, sem nenhuma credibilidade internacional, porque pregava a recessão econômica, a transferência de recursos líquidos, a exportação líquida de capital dos países do Terceiro Mundo para os países do Primeiro Mundo. Como é que o Brasil vai ressuscitar o FMI! É disso que se trata, dar credibilidade ao Fundo Monetário Internacional, cuja hegemonia pertence aos países centrais do capitalismo.

Por isso, Sr. Presidente, quero deixar este registro, em nome do Partido Socialismo e Liberdade, e nosso repúdio veemente a este empréstimo de 10 bilhões de dólares ao Fundo Monetário Internacional.


O povo brasileiro tem direito a estes recursos — são 20 bilhões de reais — , para a educação, a saúde, a reforma agrária, o transporte e a infraestrutura.

É inaceitável, é incompreensível ao povo brasileiro, é de uma péssima simbologia esta ação dos Ministérios econômicos do Governo Lula.
Muito obrigado.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Psol Londrina apóia a greve dos trabalhadores do INSS


O Psol Londrina dá todo o apoio à greve dos trabalhadores do INSS. Diga não às manobras do governo Lula que quer a todo custo criminalizar um movimento que é direito do trabalhador! O trabalhador não pode ser o custeio da crise!


INFORMES DO COMANDO DE GREVE
sexta-feira, 12 de junho
AGORA É GREVE!!!
TRABALHADORES DO SEGURO SOCIAL APROVAM INDICATIVO DE GREVE POR TEMPO INDETERMINADO
Os servidores do INSS vêm realizando assembléias nos locais de trabalho do Paraná, com a participação da Diretoria do Sindicato, acatando o Indicativo de Greve. Nas cidades de Curitiba e Região Metropolitana, Londrina, Maringá, Cascavel e Foz do Iguaçu, aprovaram ingressar em Greve a partir da segunda quinzena de junho. Em todo país os trabalhadores aprovaram ir á luta, porque os trabalhadores compreenderam que aumento da jornada de trabalho trará redução de 25% nos vencimentos, além de jamais abrir mão daquilo que conquistaram. Este é o momento de unidos entrarmos em Greve para manter uma das mais importantes conquistas é a da jornada de 30 horas. Como este governo não cumpre os acordos que assina, vamos denunciar as péssimas condições de trabalho, o descumprimento da lei, pois o governo não faz exames Médicos Periódicos há 11 anos, deixando milhares de servidores lesionados. A não implantação do plano de Carreira, bem como os problemas no sistema de informática e falta de estruturais nas Agências do INSS para realizar atendimento ao público, total desrespeito com os segurados da Previdência e trabalhadores do órgão.
Atenção estamos alertando aos servidores, que o governo ao contrário de reabrir as negociações com os trabalhadores quer o confronto, trama enviar servidores de outras agências que não aderirem a greve, mediante farta distribuição de diárias, para os privilegiados irem abrir os locais de trabalho em Greve. Além de ser uma medida para sabotar a greve, vai colocar que for invadir espaço alheio sob risco de serem hostilizados ou agredidos por aqueles que estão em luta pelos seus direitos; A responsabilidade pelo que ocorrer será integralmente dos gestores que fizerem esta besteira. Muitos acreditam na conversa mole dos iluminados do alto escalão que não servidores do INSS, apenas ocupam cargo transitoriamente cargos de confiança por indicação partidária e não tem qualquer compromisso com servidores ou os serviços prestados a população. Convocamos a todos os servidores do Seguro Social a discutirem essas questões e deflagrarem a Greve a partir da próxima semana. Reiteramos que nossa luta é justa e que esta Greve deve ser deflagrada para que não sejamos mais atacados de maneira sórdida, tentando comprar nossa dignidade e reduzindo os salários daqueles que não caíram no canto da sereia.

EIXOS DE LUTA/REIVINDICAÇÕES:
1) Manutenção da jornada de 30 horas semanais de trabalho sem redução de salário;
2) Incorporação imediata das gratificações produtivistas;
3) Melhores Condições de Trabalho;
4) Contratação imediata dos aprovados no último Concurso Público;
5) Reestruturação da Carreira;
6) Aumento no valor do Tíquete Alimentação;
7) Manutenção da paridade entre ativos e aposentados;
8) Instalação da CPI mista para investigar as contas da Previdência Social.

OBSERVAÇÃO: Na página do SINDPREVS: http://www.sindprevspr.org.br/Vamos lutar para barrar os ataques do governo!

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Documentário produzido pelo MST em Porecatu

Herdeiros da luta de Portecatu, documentário dividido em duas partes, contando a história desde o início da colonização do norte do Paraná, passando pela perseguição dos latifundiários da família Lunardelli aos camponeses, organização da luta armada, usina central de Porecatu que empregava trabalho escravo em pleno século XXI e ocupação do MST.

Parte 1



Parte 2

sábado, 30 de maio de 2009

Sexta-feira dia 05/06/09 têm reunião ordinária do diretório municipal na APP

Sexta-feira dia 05 de junho de 2009 às 19:00 h teremos reunião ordinária na APP sindicato, que fica na avenida JK ao lado do Clube Canáda. Convocamos toda a militância e simpatizantes!

Lembrando que estamos em fase preparatória para o II Congresso Nacional do partido, as teses que serão apresentadas estão disponíveis no site PSOL nacional (www.psol.org.br), ou clique nos links abaixo para fazer o download.

TESE 1 - Possibilidades do PSOL nos desafios por um Novo Brasil

TESE 2 - PSOL na luta com os trabalhadores para construir o socialismo!

TESE 3 - Em defesa do PSOL democrático, classista e de combate

TESE 4 - Colocar o socialismo na ordem do dia!

TESE 5 - Uma alternativa popular, ecológica e socialista para o Brasil

TESE 6 - Novos tempos para o PSOL

TESE 7 - Postular o PSOL como alternativa para disputar influência de massas

TESE 8 - Um partido militante para um Brasil dos trabalhadores e socialista

TESE 9 - Construir o poder popular em direção ao socialismo e à liberdade

_____________________________________________________________

Contribuição - Formação, articulação e lutas: Os desafios do PSOL perante a fragmentação da esquerda socialista

Contribuição - Por um partido em que a base tenha voz e vez!

Contribuição - Romper a cortina de fumaça: A necessidade de um debate amplo e sem preconceitos sobre a questão das drogas

Contribuição - O presente é de luta, o futuro é da gente!


Boa leitura!

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Frente de Esquerda de Londrina e o Primeiro de Maio


A primeira ação da Frente de Esquerda de Londrina, composta pelos partidos do PSOL, PCB e PSTU, além do Centro de Estudos Ernesto Chê Guevara e o sindicato- SINDIPREVS foi a realização do Ato do Primeiro de Maio no calçadão de Londrina. Ao contrário do que a maioria dos sindicatos fez por todo o Brasil, com comemorações festivas, sorteio de brindes (de cortes de cabelo a sorteio de motos), a frente chamou a atenção dos trabalhadores para um momento de reflexão, já que a classe tem presenciado a tentativa de diminuição dos seus direitos por meio da flexibilização trabalhista. No dia 25 de abril pudemos participar de entrevista com a rádio Cincão, onde debatemos com os ouvintes a flexibilização trabalhista, o histórico da data do "Primeiro de Maio", a crise mundial e a constituição da Frente de Esquerda em Londrina.

sábado, 2 de maio de 2009

No dia do trabalhador o PSOL mais uma vez no MST em Porecatu



Neste dia do trabalhador, o PSOL esteve presente em celebração realizada no acampamento do MST em Porecatu.

Os membros do partido presentes Lucas, Jackeline, Alisson, Beto e Liliana manifestaram o seu total apoio ao movimento.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Manifesto Pró – 1° de Maio



A trajetória da classe trabalhadora sempre esteve marcada pela exploração capitalista gerando concentração de renda, onde milhares de trabalhadores são levados ao desemprego, e conseqüente empobrecimento. Neste sentido, o 1° de maio significa a retomada da luta pelos direitos dos trabalhadores, pela recomposição dos salários e aposentadorias, ampliação dos valores do seguro desemprego e estabilidade no emprego. Devemos lutar ainda pela garantia de conquistas sociais como férias, 13° salário, aposentadoria integral. que estão sob risco de "confisco" pela chamada Flexibilização das Leis Trabalhistas.
No Governo Lula, o que temos presenciado é a permanente baixa do poder de compra dos salários enquanto isso os grandes empresários são beneficiados por políticas fiscais que garantem maiores lucros durante a crise econômica atual.
No final são os trabalhadores quem pagam a conta, só no governo do PT já são mais de R$300 bilhões entregues aos banqueiros e grandes empresas enquanto poucos recursos são aplicados onde realmente a população precisa como saúde, educação e moradia popular.
Exigimos que a política de juros baixos para a produção industrial favoreça ganhos reais aos trabalhadores e que beneficiem o crédito pessoal, alimentos, transporte coletivo e vestuário. Que a decisão e o controle desses preços e desses juros sejam feitos pelos trabalhadores.
O 1° de maio não é o dia do trabalho, não é um simples feriado, não é uma concessão dos capitalistas, mas é sim, o dia do trabalhador e dos desempregados, o nosso dia. Esta data foi escolhida para homenagear os trabalhadores que foram duramente reprimidos durante greve em Chicago (EUA) em 1886, quando exigiam a redução de 19 para 8 horas de jornada de trabalho. Nós trabalhadores e desempregados protestamos contra as desumanas condições em que nos encontramos. Que nos organizemos para defendermos direitos e exigirmos mudanças nos gastos com o dinheiro público.
A política neoliberal do governo Lula que demonstrou claramente o lado que escolheu, pois nada fez diante da demissão de 4.000 trabalhadores da Embraer.
Desta forma é preciso que neste 1° de maio (Dia do Trabalhador), protestemos por mudanças radicais do sistema de produção que só tem proporcionado concentração de renda, arrocho salarial, crescimento da pobreza e da miséria em nosso país.
Finalmente, se faz urgente recuperar o 1°de maio como o dia do trabalhador e fazer deste dia um momento para que a classe trabalhadora construa um projeto político voltado para a sua emancipação, para a construção de uma nova sociedade, socialista, cujo projeto exige o resgate e o fortalecimento dos movimentos sociais como resposta aos desmandos do capitalismo.

Por isto convidamos a todos a estarem presentes no sábado, dia 2 a partir das 10 horas da manhã em frente ao Banco do Brasil do calçadão, para um ato público em defesa de nossos direitos.

FRENTE DE ESQUERDA DE LONDRINA: PCB - PSTU - PSOL

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Panfletagem sobre a crise e debate com sindicatos



No dia 14 de abril fortalecemos a frente de esquerda em Londrina com a participação do PSOL, PSTU e Centro Chê durante panfletagem no calçadão sobre o tema da crise do capital e seus reflexos para o Brasil e para Londrina. Pudemos nos aproximar da população, prestar esclarecimentos sobre o movimento e apresentar o projeto socialista para os trabalhadores. No período da tarde na sede do Sindiprevs fizemos um debate sobre a crise e tivemos a participação do sindicalista do SindTest Bernardo Pilotto (membro da Intersindical), além de falas dos representantes do PSTU em Londrina.

sábado, 18 de abril de 2009

Saúde, cidadania e direitos humanos

A Comissão de direitos humanos de Londrina - CDH, realizou hoje 18 de abril, o encontro intitulado Saúde, cidadania e direitos humanos. Estiveram presentes diversas lideranças religiosas, das pastorais, conselheiros e trabalhadores da saúde e militantes dos direitos humanos. Tivemos a fala do Prof. João Batista Filho que fez um amplo levantamento sobre a pobreza na cidade de Londrina e suas implicações para a cidadania, saúde e direitos humanos, nos chocou ao revelar a cidade que não aparece no noticiário, uma cidade que têm 35% da população vivendo em situação de risco, privadas de qualquer direito à cidadania, seja do ponto de vista econômico, social ou da saúde.

Ao final do encontro f0ram levantadas prioridades para a saúde em Londrina e estabelecida uma comissão para reinvindicá-las ao poder público, são elas:

- Intesificar a luta por medicamentos excepcionais e da cesta básica;
- Melhorar a acessibilidade às unidades básicas de saúde;
- Investigar e cobrar o funcionamento da estratégia saúde da família;
- Agilizar as especialidades e cirurgias;
- Fiscalizar os recursos humanos em saúde e necessidade de contratação;
- Cobrar a conclusão das obras de ampliação do hospital Zona Sul e Zona Norte, e contratação de profissionais para o novo pronto socorro do HU.
- Ampliar o acesso ao transporte para os usuários que necessitam de fisioterapia;
- Ampliar a oferta de acupuntura, fitoterápicos e homeopáticos na rede pública;
- Agilizar a fila da cirurgia de redução de estômago;

O PSOL - Londrina apóia a luta por uma saúde pública, humana e de qualidade!


sexta-feira, 17 de abril de 2009

Última reunião do diretório municipal do Psol- 03/04/09


Uma homenagem aos guerreiros do PSOL, agora reforçado com os militantes da Direção do Sindiprevs, José Carlos e Rui. Mais um sindicato que se desfiliou da CUT e integra agora a INTERSINDICAL... Mais uma conquista do PSOL Londrina! Parabéns a todos!

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Ato sobre a crise do Capital e criminalização dos movimentos sociais


A “Marolinha” que
virou um Tsunami

A crise do capitalismo e seus efeitos já são visíveis
para o trabalhador londrinense.
A Hussmann , uma multinacional instalada há nove anos aqui na cidade, desmontou suas máquinas e demitiu todos os seus trabalhadores mesmo com a isenção de impostos que recebia da prefeitura. Este fato mostrou algo que pode piorar daqui para frente: ao menor sinal de redução de seus lucros os patrões fecham fábricas, demitem, reduzem salários, implantam os bancos de horas e procuram mais incentivos em outras regiões. No Brasil, já temos quase 1 milhão de trabalhadores desempregados desde o início da crise, só na Embraer foram mais de 4.200. No final são os trabalhadores que pagam a conta. O governo Lula deve parar de entregar dinheiro aos banqueiros e as grandes empresas. Até agora já foram mais de R $ 30 0 bilhões. Ao invés de dar dinheiro a banqueiros e grandes empresários, o governo Lula deve direcionar esses
recursos para a saúde, educação, moradia popular, recomposição das aposentadorias e ampliação dos valores do seguro-desemprego. Além disso, deve realizar um grande plano de obras públicas para gerar empregos e melhorar a qualidade de vida das pessoas. Neste momento em que o Brasil inteiro se organiza, convidamos a sociedade londrinense para um debate sobre a crise do capitalismo, suas consequências e a criminalização dos movimentos sociais.

Ato Público: 11/04/09 sábado à partir das 9 horas em frente ao Banco do Brasil do Calçadão.

Debate e mesa redonda sobre crise do capitalismo e criminalização dos movimentos sociais: 11/04/09 às 14horas no Sindiprevs Av. Jorge Casoni 2575 com a presenção de um representante do MST, Bernado Piloto da Intersindical e o cientista político Marco Antonio Rossi.

Organização: PSOL, PSTU, CONLUTAS e Centro Chê

Psol no Encontro Estadual de Mulheres do MST


No dia 08 de março o psol Londrina esteve presente no Encontro Estadual de Mulheres do MST que foi realizado em Porecatu- Pr. Cidade que teve fechada a sua maior usina de cana de açucar pelo ministério público após denúncia de escravidão e superexploração de seus trabalhadores. Um município fantasma que tinha sua economia baseada nesta usina e que hoje tenta se reerguer por meio dos assentamentos do MST.Tivemos a oportunidade de conhecermos o recém-criado assentamento da zona rural de Porecatu, onde os acampados se encontram há 4 meses.Neste encontro Estadual estavam reunidas mais de duas mil mulheres que divididas em comissões mostravam a voz feminina na luta por reforma agrária e segurança alimentar. Foi emocionante ver tantas mulheres que conciliam a vida no campo e no cuidado aos filhos, com a a luta contra o capitalismo e contra as grandes corporações de transgênicos, que põe em risco a alimentação de seus filhos. Mais um momento em que o Psol Londrina pôde estar em contato com os movimentos sociais e promover laços com líderes. Fica para nós a imagem de Dorcelina Folador que foi assassinada pelos coronéis na cidade de Mundo Novo, no estado do Mato Grosso do Sul, onde era prefeita. Uma mulher que lutava pela reforma agrária e que hoje é lembrada como símbolo da luta da mulher campesina.

Jackeline Lourenço Aristides- secretária do Psol Londrina

segunda-feira, 30 de março de 2009

HABEMUS Prefeito Suplementar

Por Manoel Paiva - Presidente do PSOL Londrina.

Temos o Prefeito Suplementar de Londrina, e ele próprio afirma em matéria no G1 (Globo) que "a melhor solução teria sido o "padrinho" assumir o cargo. “Continuo dizendo que estou na repescagem. Quem ganhou a eleição foi o Belinati. Qualquer outro resultado, na verdade, não é a vontade do povo".

Ora fica muito claro em sua afirmação que o populismo belinatista volta para a vitrine. Entende-se também que o direito de ludibriar a população explorada continua a dominar esta cidade. A força do caudilho simplório continuará viva em seu governo municipal. Ele mesmo, prefeito suplementar, será um títere nas mãos do padrinho que ganhou a eleição. Teremos por mais um quadriênio as forças místicas, emocionais e nada racionais a fazer de conta que governam para os pobres explorados.

Indo ao grão do assunto, tivemos 273.002 votantes que foram às urnas expressar obrigatoriamente sua vontade. Destes, pouco mais de 67 mil (quase 20%) não foram votar, ignoraram a eleição por diversos motivos. Tivemos 15.624 pessoas que anularam o seu voto, e por nós do PSOL, são saudadas, pois de alguma forma e corajosamente digitaram outro número, dizendo não aos candidatos que se apresentaram. Mesmo que estejam incluídos aí os fiéis eleitores do caudilho padrinho. Ainda 7 mil e 4 votos brancos, outro modo de protesto. Assim temos 89.900 pessoas que não querem o prefeito eleito, e que somadas àquelas que votaram no outro candidato perfazem mais de 204 mil eleitores londrinenses que foram às urnas contestar o populismo do padrinho e do afilhado. Embora uma boa parcela apóie o liberalismo que representa o PSDB, temos uma parcela significativa da população no mínimo indignada.

Necessitamos aí ajudar a canalizar essa indignação, apontar rumos para uma população que é sistematicamente tratada como se fosse platéia de um show de mágica, onde o parlamentar faz que dá com uma das mãos, escamoteia com a outra e ainda é aplaudido no final.
Devemos questionar sobre quem governa uma cidade?, devemos informar, debater, deliberar de modo direto, sem representantes que se disfarcem de homens tementes a deus, bonzinhos, homens-família, e que são de fato respeitadores da lei e da ordem burguesa, dos que são donos do dinheiro, do poder político, donos e exploradores da cidade, donos dos que fazem as leis.
Devemos expor do modo tranqüilo, teimoso, obstinado quem são padrinho e afilhado que se associam para dominar o orçamento da cidade de Londrina.

Vamos debater com os moradores e explorados desta cidade sobre o modo de governar que seja direto, onde nós tomemos nossas decisões no rumo em que nós queremos e não no rumo que desejam os industriais, comerciantes, banqueiros que nos exploram para gozarem seus lucros, dinheiro e força de trabalho que nos são roubados todos os dias.

Assim ao final e novamente saudamos todos aqueles que optaram pelo voto nulo, que não é ilegal ao contrário do que pensam muitos políticos profissionais, ignorantes ou que desejam confundir a cabeça do eleitor. Devem eles estudar e entender a diferença entre nulidade do voto e voto nulo que nesta conjuntura é totalmente legal (na ordem burguesa) e legítimo.

Londrina, 30 de março de 2009.

sábado, 28 de março de 2009

Ato público Contra a crise do capitalismo: A marolinha que virou um tsunami


Segunda-feira dia 30 de março às 17:00 h, será realizado um ato público no calçadão em frente ao Banco do Brasil contra às demissões e a favor dos trabalhadores diante da crise mundial do capitalismo. Em londrina os efetitos já são visíveis, a HUSSMANN, uma multinacional instalada há nove anos na cidade, desmontou suas máquinas e demitiu todos os seus trabalhadores (mais de 200) mesmo com a isenção de impostos que recebia da prefeitura. No Brasil já temos mais de 1 milhão de desempregados, e as demissões não param. No final são os trabalhadores que acabam pagando a conta dessa crise. O governo Lula já entregou 300 bilhões do contribuente a empresários e banqueiros, recuros que poderiam ser aplicados em saúde, educação, moradia popular e ampliação dos valores do seguro desemprego por exemplo.

Convocamos a todos as pessoas a comparecer no calçadão e dizer um basta às demissões e também a criminalização dos movimentos sociais.

O trabalhador não deve pagar pela crise do capitalismo!

Participam e apóiam o ato sindicatos, partidos políticos e movimentos sociais.

Organização:

PSOL, PSTU, CONLUTAS, CENTRO CHE E TEATRO DO OPRIMIDO.

quarta-feira, 25 de março de 2009

Criminalização dos movimentos sociais


Essa foi a pauta da reunião organizada ontem na Fábrica de Teatro do Oprimido de Londrina. A crise econômica mundial e seu impacto sobre a classe trabalhadora também foi tema da discussão.
Com o intuito de mobilizar a população londrinense contra a crise do capitalismo e a criminalização dos movimentos sociais, é que ficou definida a realização de uma discussão mais ampla sobre estes temas. Um ato está sendo organizado para o dia 30-03-2009 envolvendo todas as pessoas e entidades interessadas.

Você está convidado!

Participantes do encontro:

Alisson Marques - PSOL
Jackeline Lourenço Aristides - PSOL
José da Motta Lima Filho - ENEBIO
Carlos Enrique Santana - Centro Che Ldna -
Rafael de Morais Cury - CA BIO UEL /ENEBIO
Lucas Perucci - PSOL, CA BIO UEL
Paula Cerruti da Costa - CA BIO UEL, ENEBIO
Vanessa Gonçalves Gardim - CA BIO UEL
Mateus Magalhâes - PSTU
Clovis Pereira - ADEVILON, CDH, COPED PR, MNDH
Josemar Lucas - FTO Ldna, CDH

domingo, 22 de março de 2009

Panfletagem pelo VOTO NULO!


Realizamos panfletagens pelo VOTO NULO, no calçadão no sábado, e domingo na feira dos cinco conjuntos, a aceitação foi muito boa e foi possível para nós sentir a indignação da população com o processo eleitoral. Por isso convidamos você para participar desse debate junto ao PSOL Londrina.

Estaremos durante a semana fazendo a distribuição do material nos colégios. E na quarta-feira à noite estaremos na UEL debatendo com os estudantes a questão do VOTO NULO.

Aqueles que quiserem apoiar a manifestação pelo VOTO NULO entre em contato conosco através do e-mail psol50londrina@gmail.com

Vamos à luta!



sexta-feira, 20 de março de 2009

Nem um, nem o outro essa é a posição do cientista político Marco Antonio Rossi

O cientista político e escritor Marco Antonio Rossi está junto com o PSOL em favor do voto NULO! Leia abaixo sua análise sobre o terceiro turno das eleições.

(...) Diante da urna, fastigado e desconfiado, o eleitor londrinense terá de optar entre dois deputados federais no curso de seus mandatos, dois representantes daquilo que faz duas ou três décadas emperra Londrina, mantendo a cidade de tantas histórias e incontáveis orgulhos no equívoco do anonimato, de certo ostracismo no mapa Brasil. Um tucano que esconde (ou dele se envergonha?) seu passado de fortes alianças com os setores mais atrasados e conservadores da vida nacional; um pedetista que já foi belinatista, já flertou descaradamente com o malufismo e o mundo-cão dos programas sensacionalistas de TV e Rádio (...).

Para ler esse e outros textos na íntegra acesse o blog Espaço de Cultura Socialista www.travessia21.blogspot.com

quarta-feira, 18 de março de 2009

O trabalhador não pode pagar pela crise do capitalismo!

Nenhum dos outros partidos de Londrina apontaram formas de enfrentamento da crise que já deu sinais de sua vigorosidade quando da demissão de mais de 200 trabalhadores da Hussman. A questão do transporte público ineficiente e de alto custo, e a carência de moradias populares vêm a tona no momento em que a classe trabalhadora tem seus empregos perdidos ou seus salários reduzidos. No horário político deste terceiro turno a crise do capitalismo que vivenciamos é esquecida, ou mesmo tratada de forma amena, os candidatos continuam prometendo gerar milhares de empregos baseados em ilusões e soluções impossíveis, que na verdade só irão contribuir para gerar mais prejuízos ao trabalhador e lucro às empresas. Neste momento é necessário estar ao lado dos trabalhadores garantindo moradia, estabilidade no emprego, redução da jornada de trabalho sem redução dos salários, passe livre para os estudantes e desempregados, valorização do funcionalismo público e ampliação dos benefícios sociais.

Os trabalhadores não podem pagar pela crise!

Venha ser militante do PSOL, entre em contato através do nosso e-mail!

sábado, 14 de março de 2009

Por que VOTAR NULO?

O PSOL foi o único partido que ao disputar as eleições assumiu o compromisso de não aceitar doações de empresas, portanto, a nossa posição pelo VOTO NULO representa a nossa coerência em defesa dos interesses da classe trabalhadora. Tanto o candidato do PDT, quanto o candidato do PSDB, estão comprometidos com as empresas que fizeram doações milionárias para suas campanhas. Quando algum empresário doa dinheiro a um candidato, ele pede algo em troca. Se o candidato receber dinheiro de uma empresa de transporte coletivo, por exemplo, o trabalhador pode esperar pelo aumento da passagem. O PSOL defende uma política voltada para a maioria da população e não favorecimento a empresas ou grupos políticos. Nenhum dos dois candidatos será capaz de colocar em prática políticas públicas voltadas a classe trabalhadora, justamente por estarem comprometidos com as grandes empresas.

terça-feira, 10 de março de 2009

NULO QUE TE QUERO NULO, PARA ALÉM DO PROTESTO!


Votar NULO hoje é um manifesto por querer algo mais do que a sobra. Querem que acreditemos que existem apenas duas opções: Hauly ou Barbosa. Ao cidadão londrinense dizemos que existe uma terceira alternativa, que é a opção pelo voto nulo.

Temos certeza que nosso VOTO NULO não irá provocar a realização de novas eleições, mas, certamente chamará a atenção para a discussão das candidaturas existentes para outra forma de governar que pode ser realizada mediante muito trabalho, muita luta política e organização popular.

O Psol defende que nos organizemos em CONSELHOS POPULARES DELIBERATIVOS e que estes sem ingerência dos políticos profissionais e donos do dinheiro, possam funcionar de modo a colocar em prática todas as decisões tomadas por aqueles que sofrem da injustiça social.

Queremos manifestar para a população de Londrina que as candidaturas que aí estão PSDB e PDT, representam faces de uma moeda que de verdade não irá atender aos anseios de trabalhadores rurais e urbanos. Os candidatos, se eleitos, não resolverão o problema da falta de moradias populares, não irão melhorar a saúde pública municipal; não resolverão o problema do desemprego; não implementarão políticas para o desenvolvimento intelectual e profissional da juventude e não resolverão o problema da segurança pública.

Nosso manifesto é mais do que um “bate pé”, de “dizer não”, de protestar tão somente. Nosso manifesto tem o poder de transgredir essa ordem falsamente pacífica e calma e apontar para a população que devemos unir forças, organizar indivíduos e grupos para construir juntos, um projeto político de poder popular.

Projeto este idealizado, deliberado, construído e tornado realidade pelas nossas próprias cabeças e mãos, idéias e ações com a expressa finalidade de mudar essa realidade de corrupção e injustiça social. O cidadão londrinense já foi obrigado a votar no segundo turno de outubro, e agora novamente seremos obrigados a votar em um novo segundo turno.

VENHAM JUNTO CONOSCO, LONDRINENSES!

VOTE NULO, É UM DIREITO LEGÍTIMO E DEMOCRÁTICO!